Suspeito de furto é detido pela PM, foge de viatura e morre com as mãos algemadas ao ser detido pela segunda vez

Compartilhe

Rafael Carmona, de 24 anos, morreu quando estava com as mãos algemadas para trás e sob custódia de policiais militares que o haviam detido como suspeito de tentativa invadir uma residência na madrugada de segunda-feira, 26, no Jardim Rosolen, em Hortolândia.

As circunstâncias da morte, registrada como suspeita, serão investigadas por intermédio de um inquérito Policial aberto pela Polícia Civil e um procedimento administrativo que será conduzido pelo Comando do 48º Batalhão de Polícia Militar.

A versão apresentada por dois policiais militares da viatura de prefixo I-48300 à Polícia Civil é a de que o rapaz foi encontrado na Rua Alberto Munis da Silva, “nervoso e com diversos ferimentos”.

Os PMs, alegaram que seguiam em atendimento a uma pessoa pediu ajuda porque a casa estava sendo invadida por um ladrão.

Os policiais alegam que o rapaz alegava ter sido agredido por ladrões.



Os policiais teriam prosseguido “ao atendimento à ocorrência irradiada” pelo Copom (Centro de Operações da Polícia Militar) deixando o rapaz ferido no local.

Na Rua José Jerônimo Bertoline, os policiais encontraram uma mulher de 49 anos, moradora da casa número 605.

Ela teria informado aos PMs que um homem invadiu o quintal da casa dela. Ela o descreveu como de pele branca, alto, olhos castanhos claros e vestia camiseta branca e shorts escuro.

Os policiais, então, lembraram que tratava-se das mesmas características do rapaz que encontraram nas proximidades.

Ainda de acordo com a versão oficial, os dois policiais voltaram à Rua Alberto Munis da Silva e encontraram Carmona “que continuava a demonstrar nervosismo” e falava “palavras desconexas”.

O rapaz, então, passou à condição de suspeito da invasão na residencia e recebeu voz de prisão.

O suspeito teria resistido a abordagem. Os PMs alegam ter usado “força física moderada” para algemar as mãos do rapaz.

Ainda conforme a versão oficial, Carmona “em estado de surto psicótico passou a chutar a porta do compartimento de presos da viatura até conseguir abri-la e, tentou evadir-se”.

Os policiais relatam que foi necessário , de novo, “o uso de força moderada para conte-lo e algema-lo”.

O rapaz teria feito movimentos com os pulsos para tentar escapar das algemas.

Na tentativa de contê-lo, os policiais perceberam que o detido perdeu os sentidos.



Os dois PMs alegam ter acionado o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de urgência) e, enquanto aguardavam, realizaram procedimento de reanimação cardio respiratória.

Quando a equipe de socorristas chegou, foram feitos procedimentos de reanimação “sem sucesso”.

O rapaz morreu.

A mulher, de 49 anos, que chamou a polícia, prestou declarações e alegou que reconheceu o rapaz como o homem que invadiu sua casa, tentou pegar um cachorro no quintal e ao fugir caiu de um telhado.

Ela também disse ter viso o rapaz muito nervoso e confirmou a reação e a fuga da viatura.

O corpo de Carmona foi encaminhado para o IML (Instituto Médico Legal) de Americana onde foi realizada autópsia. Um laudo vai informar a causa da morte.

Carmona nasceu em Sumaré, mas morava em São José dos Campos, no Vale do Paraíba.

Um levantamento feito em boletins de ocorrência mostram que o rapaz já foi interno de uma unidade da fundação Casa e tem registros em delegacias da Polícia Civil na cidade onde residiu.

Compartilhe