29 de fevereiro de 2020

Rapaz de 26 anos que confessou ter assassinado mulher de 82 anos, mas, “por engano”, não fica preso e recebe uma avalanche de ameaças nas redes sociais: “Sua alma já tem dono. O inferno te espera. Assassino nojento vai morrer”

Compartilhe

“Bora caçar esse verme”. “Já arruma dinheiro pro seu funeral, seu verme”. “Você vai servir o capeta no inferno, seu assassino”. “Já tá a caminho”. “Peço que ele esteja foragido pro pessoal que está atrás dele pegar e arrebentar na porrada”. “Baixa o CPF desse cretino, senão ele vai pra cadeia comer quentinha”. “Sua alma já tem dono, sua matéria irá se desprender do espirito em breve”. “Baixa o CPF desse cretino”. “Te prepara;Tua mãe não te merece”.

Essas frases, em tom de ameaça de morte, são algumas das postagens feitas na página de  Faceboook de Guilherme Faria de Oliveira, de 26 anos, que matou com golpes de uma faca de cozinha e de um alicate de ponta fina Odilia Fatoretto Balan, de 82 anos, em Campinas.

Ela era avó da ex namorada de Guilherme, Tamara Balan, de 21 anos. O crime aconteceu na noite de 26 de março de 2019 na casa da vítima no bairro Vila Nova, um dos mais antigos de Campinas.

A página “Gui Oliveira” foi mantida ativada. Por isso, vem recebendo comentários diariamente.

Já a última postagem que aparece como sendo feita por ele está registrada às 20h30 do dia do crime. Junto com um foto de Guilherme está a  a frase “Sou trouxa, amo mesmo. Sou lixo. Sou o pior doente, que ama. Mato e morro por ela”.

Ele estaria se referindo ao namoro com Tamara que havia terminado. A postagem, que teria sido feita por ele, tem registro duas horas antes do crime. A idosa foi morta às 23h30.

No dia 28 de março de 2.019 Guilherme se apresentou na  Delegacia da Defesa da Mulher de Campinas acompanhado de uma advogada.

Ele disse em depoimento que consumiu cocaína e álcool e foi mesmo com a intenção de matar sua namorada. Guilherme alegou em depoimento  que entrou na casa e “viu uma pessoa na cama” e “achou que fosse” Tamara. Então começou a golpear. O rapaz disse  que parou quando percebeu que era a idosa. Ele afirmou à Polícia que “gostava muito” da avó de sua namorada e que “realmente não sabia” que estava esfaqueando Odilia.

A Polícia Civil encaminhou à Justiça pedido de prisão preventiva do acusado. Porém, o pedido foi negado. Assim, Guilherme vai responder inquérito em liberdade. Ele deixou Delegacia no carro da advogada e não foi mais localizado.

O CRIME

Odilia Fatoretto Balan, de 82 anos, foi assassinada com golpes no ombro e no pescoço, de um alicate de ponta fina e de uma faca de cozinha, dentro de sua casa na Vila Nova, um dos bairros mais antigos de Campinas. Ela também foi espancada com socos no rosto e na barriga, segundo a Polícia.

O principal suspeito de ser o autor do crime, que aconteceu no final da noite de 26 de março deste ano de 2019, é o ex-namorado de uma das netas da vítima. Ele tem 26 anos e fugiu. A neta da vítima tem 21 anos.

Ele foi visto saindo correndo da casa da idosa, na Rua Conselheiro Antônio Prado. E, também, durante a madrugada de 27 de março de 2019, teria telefonado o pai dele, no Jardim Planalto de Viracopos, perguntando se a Polícia havia lhe procurado.

Um dos filhos da Idosa, Aderval Balan, de 55 anos, mora na casa de fundos. É a filha dele que está separada do namorado, que, não se conforma com o fim do relacionamento.

A idosa morava na casa da frente. A neta dela ficava com ela e até dormia lá para fazer companhia.

O rapaz foi a procura da ex-namorada na casa da avó dela. Como não a encontrou, agrediu até a morte Odilia.

Os gritos da vítima foram ouvidos pelo filho dela que ao sair da casa dos fundos viu o ex genro correndo para a rua.

Odilia foi morta em sua cama. Ela era natural de Santa Bárbara D’Oeste, município da Região Metropolitana de Campinas, onde nasceu dia 11 de dezembro de 1.936.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *