29 de fevereiro de 2020

Polícia classifica como legítima defesa ação de GM que terminou em morte de integrante de quadrilha

Compartilhe

A Polícia Civil classificou como legítima defesa a reação a tiros de um guarda municipal de Campinas que resultou na morte de Vitor Hugo de Carvalho Silva, de 18 anos, integrante de um grupo que tentou assaltar um supermercado no Jardim Santa Rita de Cássia.

O guarda estava de folga e, portanto, não usava farda.

Segundo registro da polícia, ele estava “na condição de cliente”.



Na interpretação do delegado Guilherme Risso Teodoro, que fez o registro do fato, “de tudo que foi apurado, considerando a existência de indícios veementes de que “o guarda municipal” se valeu, moderadamente, dos meios necessários para se defender e vencer a resistência supostamente praticada por Vitor Hugo”.

Ainda conforme a avaliação do delegado, o guarda municipal teve “conduta típica pela legítima defesa própria e de terceiros”.

O fato ocorreu na tarde do dia 20 deste mês de março na Avenida José Carlos do Amaral Galvão.

Portanto, está completando dez dias nesta Sexta-feira Santa, 30.

Mas não tinha sido noticiado.

Segundo a informação oficial, dois homens invadiram o setor de caixas do supermercado e anunciaram roubo.

Um funcionário foi rendido pelos ladrões.

O guarda municipal, que estava à paisana (sem farda), deu voz de prisão e um dos homens “apontou a arma na direção do guarda”.

Segundo foi relatado, o guarda “para se defender, bem como a terceiros, efetuou dois disparos, afugentando os indivíduos”.

Havia mais dois homens do lado de fora, que estariam dando cobertura e também fugiram.

O rapaz foi encontrado baleado na rua atrás do supermercado. Ele estava caído junto com a moto Honda CG 125, branca.

Vitor Hugo foi atingido com um tiro nas costas, na escápula direita.

Seu comparsa fugiu.

Os outros integrantes não foram identificados.



O rapaz foi levado para o Hospital Municipal Mário Gatti, porém, não resistiu ao ferimento e morreu.

O caso foi registrado como roubo em estabelecimento comercial, homicídio e legítima defesa que é uma excludente de ilicitude prevista no artigo 23 do Código Penal.

A arma usada pelo guarda municipal foi apreendida pela Polícia Civil e encaminhada para perícia no Instituto de Criminalística da Polícia Técnico Científica.

O rapaz que morreu foi reconhecido por pessoas que estavam no supermercado como “o indivíduo que rendeu o funcionário controlador de acesso e tentou roubar o estabelecimento”.

Nenhum valor em dinheiro ou mercadorias foi roubado do supermercado devido a reação a tiros do guarda municipal.

Os comparsas do rapaz que morreu não foram identificados.

Para não serem presos, fugiram e deixaram o baleado no local.

Um inquérito policial foi aberto no 2º Distrito Policial para da sequência a apuração das circunstâncias que resultaram na morte do rapaz.

Funcionários do supermercado, o guarda municipal e outras testemunhas estão sendo convocadas para depor.

As câmeras de segurança do estabelecimento não registraram a ação porque estão com defeito, conforme foi informado à Policia Civil.



O outro lado: amigos homenageiam Vitor com música “Espera eu Chegar”

Vitor Hugo de Carvalho Silva nasceu no dia 5 de fevereiro do ano 2000 em Campinas.

Morava no Jardim das Bandeiras 2, região do São José e nos fundos do Parque Oziel, uma das regiões mais populosas de Campinas onde estão construídos vários conjuntos de apartamentos residenciais.

Era chamado pelos seus amigos, familiares e “parças” como “Vitinho Sagui”, “Vitão” , “Neguinho” e nas redes sociais usava o nome de Victor Silva.

A mãe é funcionária pública municipal.

Trabalhou numa das lojas de uma rede de lanchonetes.

Na sua página do Facebook e nas páginas de sua mãe e de amigos foram muitas as mensagens de saudades e lembrando, principalmente, do sorriso que era a marca registrada dele.

“Meu irmão, é muito ruir acordar e não ouvir sua voz. Dormir e não ouvir sua voz. Meu Deus! Tá sendo difícil demais. Maior saudade”.

Ele foi sepultado no Cemitério dos Amarais no dia 21 deste mês.

Alguns amigos estamparam a foto do rapaz em camiseta com a mensagem de saudades.



Algumas mensagens, porém, se referiam ao fato de o rapaz ter entrado para um caminho errado.

Um amigo escreveu: “Se jogou na vida loka, deu desgosto pra coroa sem necessidade e sem pensar. Foi na emoção, não pela razão. Não usou a criatividade e a ambição falou mais alto dentro do seu coração. Por esse e por vários motivo se envolveu no crime por status de ladrão. Não pensou em crescer e nem se desenvolver. Por que se foi irmão. Esteja em paz. De ti pra sempre vou lembrar”.

Foi postada, também, a música do MC Kevin O Cris que tem o título de “Espera Eu Chegar”.

A letra descreve o sentimento de amigos, da namorada e da família:

“Se eu fecho os olhos e a minha mente desenha você. Tapou os ouvidos mas consigo escutar tua voz. Só de pensar que nunca mais eu vou te ver. Dói, dói, dói. Que mundo é esse tão cruel que a gente vive? A covardia superando a pureza. O inimigo usa forças que oprimem. Oprime. Ê, vai na paz irmão fica com Deus. Eu sei que um dia eu vou te encontrar. Valeu menor espera eu chegar. Valeu menor espera eu chegar”.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *