7 de dezembro de 2019

Mulher apanha do ex-marido dentro de uma Delegacia de Polícia quando registrava queixa contra ele

Compartilhe

Uma empresária, de 34 anos, foi agredida com tapas e socos no rosto além de ser agarrada com força pelos cabelos pelo ex-marido, um construtor de 39 anos, dentro da Delegacia da Policia Civil, no Centro, em Sumaré, onde funciona do Plantão Permanente.

Ele também agrediu o próprio filho, de 14 anos. Contido por dois policiais – um investigador e um escrivão – o construtor foi autuado em flagrante por crimes de ameaça e lesão corporal. Porém, não ficou preso porque pagou fiança de R$ 3 mil.

A mulher foi atacada quando registrava um boletim de ocorrência alegando ter sido vítima de ameaça. Ela estava na área de atendimento da Delegacia (foto) que fica na Rua José Maria Barroca, por volta das 20h do dia 15 deste mês de fevereiro de 2019, no momento o ex-marido a agrediu.

Segundo os dois policiais civis que estavam no local, “repentinamente a pessoa” do acusado “adentrou na Delegacia, e avançou”, em sua ex-mulher ,“agarrou-a pelos cabelos, deu tapas e socos no rosto dela”.

O agressor foi abordado pelos policias o obrigado a ficar sentado em um banco de espera. O filho do casal estava no mesmo ambiente. O construtor começou a conversar com o filho e, de repente, segurou o adolescente pelo braço e o jogou contra a parede. O agressor foi contido, de novo, e colocado em uma cela.

Segundo foi apurado, a empresária e o construtor viveram por seis anos. Na separação, a guarda do filho ficou com ele, conforme decisão da Justiça. Na sexta-feira, a mulher foi buscar o filho na casa do ex-marido, em um condomínio fechado no Jardim Recanto dos Sonhos, no distrito Nova Veneza, , e o levou para casa dela no bairro Portal Bordon.

O construtor não gostou da atitude e teria feito ameaças por telefone. Ela disse que iria para a Delegacia registrar uma queixa. Ele foi atrás da mulher e do filho e os agrediu diante de policiais.

O delegado de Polícia definiu como critério para manter preso na cadeia o construtor pagamento de fiança, calculada conforme prevê o Código Penal, e, como o acusado fez o depósito à Justiça, não foi encaminhado para a cadeia.

A ex-mulher e o filho do casal foram encaminhados para exames de corpo de delito no IML (Instituo Médico Legal) em Americana. O caso foi para o Fórum,

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *