24 de janeiro de 2020

Homem que vivia sem documentos e era conhecido por “Caçula” é crivado de balas ao entrar na casa onde morava

Compartilhe

Foram 19 perfurações no peito, costas, braço direito, mão direita e nuca, provocadas por disparos de arma de fogo, que causaram a morte de um homem não identificado, de 1,70 de altura, cor parda, 75 quilos, neste dia 5 de março de 2019, em Campinas.

O assassinato aconteceu em um sítio desapropriado, na Estrada do Fogueteiro, perto no Aeroporto Internacional de Viracopos, no limite de Campinas com Indaiatuba.

A vítima ocupava uma das casas abandonadas do sítio. Segundo foi apurado por investigadores da Delegacia de Homicídios, que o autor dos disparos já estava dentro da residência quando “Caçula” chegou. O matador o aguardava fazia mais de 15 minutos.

Um segundo ocupante da mesma casa, de 64 anos de idade, que não sofreu ferimentos, disse à Polícia que escutou o barulho dos tiros e “não viu muito bem” quem cometeu o crime.

Esse homem falou que foi obrigado a não sair de um dos quartos da casa. Ele também contou que a vítima nunca mostrou documentos e pedia para chamá-la apenas pelo apelido de “Caçula”.

O homem assassinado tem duas tatuagens na perna direita: de um palhaço e de um cachorro.

Policiais militares foram os primeiros a chegar ao local, avisados por um telefonema. Um celular, dois projéteis e um estojo de munição de calibre 38 foram encontrados perto do corpo, indicando que o assassino usou um revólver e recarregou com munição para atirar tantas veses – um revólver desse calibre tem capacidade para 6 tiros.

As 19 perfurações não indicam a quantidade de tiros que a vítima recebeu. Pode ter sido menos – é que existem no corpo perfurações de entrada e saída de projéteis.

O corpo foi encaminhado para o IML (Instituto Médico Legal) sem identificação. Foram colhidas amostras das impressões digitais do cadáver e encaminhadas para o IIRGD(Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt), na Capital paulista, para tentar a identificação.

As causas e o autor do assassinato não foram identificados.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *