24 de janeiro de 2020

DELEGACIA DE HOMICÍDIOS PRENDE HOMEM COM DISTÚRBIO DE FALA ACUSADO DE MATAR MULHER COM 7 FACADAS PARA ROUBAR CELULAR , LAPTOP e JAQUETA. EM 2016 ELE MATOU ADVOGADA COM 21 FACADAS E FOI CONSIDERADO INIMPUTÁVEL(INCAPAZ DE ENTENDER)

Compartilhe

Latrocínio (roubo seguido de morte). Segundo a Polícia Civil esse é o tipo de crime que Fernando Daniel José Américo, de 30 anos, cometeu ao matar a golpes de faca Renata Aparecida Ferreira Barreto, de 49 anos, na casa onde ela morava com a família, no Jardim Eulina, em Campinas.

A Justiça decretou a prisão temporária do acusado por 30 dias.

Fernando, que tem deficiência da fala, foi preso por investigadores da DHC (Delegacia de Homicídios de Campinas) neste dia 5 de dezembro de 2.019 no Jardim Campo Belo, bairro que fica nas margens da rodovia Vinhedo-Viracopos(a SP-324 Engenheiro Miguel Melhado de Campos) e da rodovia Santos Dumont.

O crime aconteceu na noite de 3 de dezembro de 2.019. Renata foi a 10ª mulher assassinada neste ano de 2.019 em Campinas. Ela estava sozinha em casa porque o marido, que é caminhoneiro, trabalhava em outro Estado e a filha na casa de uma amiga.

Segundo o delegado Ruy Flávio de Carvalho Pegolo o acusado confessou o crime. Seu depoimento foi possível ser colhido com ajuda de duas intérpretes de libras, funcionárias da Prefeitura de Campinas.

Um celular, um laptop e uma jaqueta masculina foram roubados. Ele esfaqueou a mulher  sete vezes (nuca, ombros, dedos, cabeça e no meio das costas) porque ela tentou sair correndo de dentro da casa. A residência foi invadida pelo quintal.

O celular foi vendido por R$ 20,00 e o laptop por R$ 100,00 no Jardim Itatinga. Que foram recuperados no bairro. A blusa foi deixada por ele numa casa abandonada em Indaiatuba onde o acusado passou a noite de 3 de dezembro e madrugada de 4 de dezembro.

Por isso o acusado foi indiciado por crime de latrocínio e com a prisão decretada foi levado para a cadeia do 2º Distrito Policial, no bairro São Bernardo.

Foi colhido material genético (saliva e suor) de Fernando além de impressões digitais para comparação oficial.

No dia que o corpo foi encontrado (4 de dezembro), foram achadas impressões digitais em garrafa de refrigerante, na porta da sala, em um cano de metal além de vestígios de suor no cabo da faca (17 centímetros de lâmina) usada para golpear a mulher.

Investigadores suspeitaram de Fernando ao analisarem as imagens gravadas pelas câmeras do circuito de segurança. As características físicas do invasor da casa eram compatíveis com a de Fernando, preso por um crime semelhante há três anos.

Os policiais tinham conhecimento que o acusado estava em liberdade e morava no Jardim Campo Belo. Ele foi encontrado em casa e com a ajuda inicialmente da mãe confirmou a autoria do crime, segundo a polícia.

INIMPUTÁVEL – Fernando Daniel José Américo matou com 21 facadas a advogada Cíntia Paula Fávero, de 35 anos, no dia 6 de janeiro de 2.016, no Jardim Interlagos, em Campinas. Ela foi assassinada dentro da casa onde morava. A faca ficou cravada em sua cabeça. O autor roubou objetos. Ele foi identificado pela Polícia Civil e preso 20 dias depois. Foi processado por latrocínio. No dia 27 de junho de 2.016 o resultado de um exame de insanidade mental, feito por uma junta médica, o considerou inimputável, ou seja, com desenvolvimento mental incompleto ou retardado o que o tornou incapaz de entender o caráter ilícito do fato por ele praticado. Por isso, ficou por dois anos internado em Hospital Psiquiátrico e liberado.

 

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *