24 de janeiro de 2020

CONDENADO A SETE ANOS POR TRÁFICO DE DROGAS, QUE ESTAVA DE “SAIDINHA”, É ASSASSINADO NA NOITE DO DIA 25 NO BAIRRO ONDE NASCEU E CRESCEU

Compartilhe

Cláudio Antônio de Souza Simão, de 26 anos, foi morto com seis tiros de pistola semiautomática de calibre 380 (três no pescoço, um na cabeça e dois no ombro direito) na Avenida Júlio Raimundo Granja, no Jardim Paranapanema, em Campinas, na noite deste 25 de dezembro de 2.019,  quarta-feira, Dia de Natal.

Ele tinha sido beneficiado pela Saída Temporária de Natal e Ano Novo, a “saidinha”. Cláudio estava condenado a sete anos de prisão por tráfico de drogas e associação para o tráfico. E desde 2017, cumpria a pena na Penitenciária 3, a P-III, uma das seis unidades do Complexo Penitenciário Campinas-Hortolândia.

O assassinato aconteceu às 23h, segundo a Polícia. Não foram localizadas testemunhas. A Polícia Militar recebeu um telefonema anônimo informando que um homem tinha sido baleado “no meio da rua”.

Quando os policiais chegaram, Cláudio agonizava no asfalto. Assim que uma equipe do Samu (Serviço de Atendimento Médico de Urgência), porém, foi constatado o óbito.

Conforme foi apurado por uma equipe de investigadores da DHC (Delegacia de Homicídios de Campinas), Cláudio foi ao bairro visitar seus dois filhos. Os policiais investigam a motivação da execução e tentam identificar o autor dos tiros. A apuração é feita em conjunto com policiais do 10º Distrito Policial.

No horário que aconteceu o crime, Cláudio já deveria estar de volta à casa de seu pai no bairro DIC 5, no distrito do Ouro Verde, distante 17 quilômetros do Paranapanema. É que a Lei de Execuções Penais determina que o detento beneficiado pela “saidinha” tem obrigação de “recolhimento no período noturno”.

O Jardim Paranapanema é um dos seis bairros que formam o chamado Complexo do Jardim São Fernando, na Região Sul de Campinas. Cláudio nasceu dia 14 de agosto de 1.993 no São Fernando onde passou a infância e sua adolescência.

Foi também nesse bairro que foi preso, junto comum amigo,  dia 12 de setembro de 2.017, por policiais militares, em um carro que transportava 45 quilos de maconha.

Em fevereiro de 2017, os dois foram condenados, cada um, a dez anos de prisão. Porém, a pena de ambos  foi reduzida para sete anos em 2018.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *