29 de fevereiro de 2020

Campinas: novembro começa com homem executado com 14 tiros e dois mortos quando tentavam roubar

Compartilhe

Três homens foram mortos a tiros num período de 32 horas neste começo de novembro de 2018, em Campinas – entre as 15h30 do dia 2 e 23h30 do dia 3.

Todos tinham antecedentes criminais. Dois deles morreram , em região e horário diferentes da cidade, mas, em situação semelhante: quando tentavam praticar roubos.

Dênis Ricardo de Jesus, de 18 anos, ex-interno da Fundação Casa, onde cumpriu medida socioeducativa por roubo, morreu quando – segundo versão oficial – tentou assaltar um casal que desembarcava de um carro no Jardim Estoril.

As pessoas atacadas eram um policial militar – que estava de folga e não usava farda – de 26 anos de idade e sua esposa de 29. Foi por volta de 15h30 do dia 2, na Rua Bartolomeu Paes de Abreu, perto da Pista do Mineiro.

Segundo o policial, dois homens chegaram em uma moto, ambos armados, e, anunciaram assalto.

O PM sacou sua arma particular e reagiu a tiros. Dênis, que estava na garupa, foi atingido e o seu comparsa fugiu, mas, teria feito dois disparos na direção do policial que junto com a esposa se escondeu atrás do próprio carro. Eles não foram atingidos.

Dênis chegou a ser socorrido, porém, não resistiu aos ferimentos – segundo a polícia ele estava com um revólver de calibre 38 que foi apreendido.

O delegado José Gattaz Neto, do Plantão do 1 Distrito Policial, classificou a atitude do policial como “legítima defesa à injusta agressão contra sua vida e seu patrimônio”.

No mesmo dia 2, às 21h30, Rodrigo de Souza Martins, de 29 anos, foi morto no Jardim Campo Belo, bairro que fica perto às margens da rodovia Engenheiro Miguel Melhado de Campos (Vinhedo-Viracopos) e perto da rodovia Santos Dumont.

Ele foi baleado em frente de um bar na Rua Dr. Mathias José de Barros Ponikwar e morreu na Unidade de Pronto Atendimento médico do Jardim São José, para onde foi levado por pessoas moradoras nas proximidades.

Rodrigo foi atingido por 14 tiros de pistola semiautomática de calibre 380. Ele já havia cumprido pena por tráfico de drogas e estava fora da cadeia desde junho de 2013.

A motivação do crime e o autor não foram identificados.

Às 23h30 do dia 3, Rogério Soares da Silva, de 37 anos, foi morto com dois tiros (lado esquerdo do tórax e ombro direito) na Rua Camargo Pimentel, em frente ao 665 (foto), a poucos metros de uma casa de jogo legal, no bairro Guanabara.

Segundo informações apuradas por investigadores do SHPP (Setor de Homicídios e Proteção á Pessoa), Rogério tentou, junto com outros dois homens, roubar pertences de uma pessoa que reagiu com tiros.

A suposta vítima da tentativa de roubo, porém, não foi identificada.

Conforme apurou a Polícia Civil, Rogério foi processado por crimes de roubo e chegou a ficar preso no Complexo Penitenciário Campinas Hortolândia.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *